Sempre tarde ou demasiado cedo…

chego pelas horas de Cesariny
três, quatro, por aí
não é para ser feliz
é para que me vejas
assim e só
às quatro da tarde
pouco importa quem chega
pouco importa se te deixei feliz
desde as três
ou se fui eu
que fiquei
leio, apressada
os espaços por entre os versos
importa-me mais estar nua
caso nos queiramos amar
dispo ontem de uma só vez
e não tenho frio
são quase as quatro da tarde
chegas, como um homem
arrumo Cesariny
visto-me
leio-te
ainda não bateram as quatro
mas é quase tarde
Ana Saraiva

Comentar