Improviso para ventilador…

Morri hoje
mas ainda tenho que escrever este poema
antes que venham buscar o meu corpo
para a reciclagem
não sei se ainda tenho crédito de palavras
e temo mesmo que a password
neste momento
já esteja desactivada
mas arrisco
nem na morte me pesou a vida
digo-te que é apenas uma vertigem
nada que o amor entenda
ou o desamor
uma última miragem
o barco que finalmente sai da linha do horizonte
e parece naufragar
e foram necessárias tantas mortes
para chegar a esta
em que só tu me esperavas
não levantes já o meu corpo peço-te
deixa-me ainda acabar de morrer neste cigarro.

Ademar
31.08.2008

Comentar