Improviso para partitura de surpresas…


O pensamento não tem mãos
as mãos com que escondes sempre
os olhos que talvez preferisses cegar
na superfície do espelho
só o corpo guarda as marcas
dos dentes que falam
tatuagens de poemas que duram mais
do que as palavras impressas
movimentas-te sempre devagar
pela casa que não dormes
há destinos de tão perfeitos
que não cantam
ou vozes que nem precisam de cantar
para se fazerem ouvir no silêncio.

Ademar
31.03.2008

Comentar