Henrique Barreto Nunes…

hbn.jpg
Correio do Minho, 31.03.2005

Se eu tivesse de apontar o português mais ilustre que conheço (e tenho a sorte de conhecer muitos), apontaria, sem a mínima hesitação, o Henrique Barreto Nunes. Somos amigos há quase 30 anos e nunca deixei de o admirar. Tanto, que emprestei o seu nome ao meu filho mais novo.

O Henrique, para quem não saiba, é bibliotecário, talvez o mais respeitado e influente bibliotecário deste pais. Escrevo-o sem recear que alguém, do meio, me desminta. A partir da Biblioteca Pública de Braga, que na prática dirige há mais de duas décadas, o Henrique tornou-se uma referência de sabedoria, de integridade, de coragem, de denodo. É um verdadeiro personagem da Renascença: bibliotecário, historiador, arqueólogo, escritor, académico, pedagogo, activista cultural, militante apaixonado de todas as causas cívicas que nos distinguem e elevam do lixo humano. Não há, infelizmente, muitos portugueses como ele e, mau grado todos os seus méritos, tão discreto, tão generoso e, tão naturalmente, avesso a homenagens.

Estes elogios, normalmente, em Portugal, escrevem-se quando as pessoas morrem. O Henrique está vivo e bem vivo e continua diariamente a disseminar à sua volta a paixão pelos livros e pelos autores que valem a pena.

Ontem, o meu filho Henrique, pela primeira vez, perguntou-me por que lhe coloquei o nome que ostenta. Ele sabia a resposta, mas eu emocionei-me a responder-lhe.

Desculpa, Henrique, este texto!

2 Responses to “Henrique Barreto Nunes…”

Read below or Comentar...

  1. Teresa Lopes says:

    Ademar, deparei-me, nos passeios que faço de quando em vez por este seu espaço, com este bonito texto sobre uma pessoa que também muito admiro. Não quero, por isso, deixar de partilhar consigo o meu sentir, que não poderia ir mais de encontro ao seu.
    Na verdade, o meu conhecimento do Henrique não é tão íntimo nem próximo como o seu, mas a imagem que dele tenho parece ser a mesma. Conclusão: o Henrique Barreto Nunes é mesmo assim!
    Daqui, desta terra que acolheu uma serra como sua mãe, vai um forte abraço para ele.

  2. Dario Silva says:

    Olá Teresa Lopes!
    O mundo está a ficar mais pequeno.

Comentar