Diário em forma de silêncio (80)…

Tropeço nas memórias, tropeço em ti. No lugar dos teus olhos, vejo agora uma câmara. Finjo que não reparo nela e dispo-me, porque sei que é o que esperas da actriz. E o teu desejo, tu adivinhas, faz com que eu me deseje. Ninguém conhece melhor o corpo do que quem o transporta. Mostro-te o caminho e tu aprendes. Aprendes depressa. No lugar das minhas mãos imagino as tuas. E os teus lábios. E a tua língua. Sim, é uma espécie de ensino individualizado. Só tu e eu. Digo: só eu…
C.A.

Comentar