Ante-luz…

tanto tempo ainda nesse rosário
dedilhas e percorres cada conta
e os vales sugestivos entre elas
contemplas e entregas-te
ele é incorpóreo e leva-te
até à plena ressurreição
podes morrer um pouco
um pouco mais
nesse íntimo que te perde
dentro das águas
que são as tuas,
mulher-da-luz
Ana Saraiva

Maresias…

fio-me numa aparência de verdade
os olhos brilham
sigo-os até à lâmpada e calculo
densidades e ângulos
que aprendi com Stendhal
parecem verdadeiros
os mares que neles se anunciam
Ana Saraiva

Sem abrigo…

é a despachar!
comam depressa que o frio arrefece
a sopa, a boa-vontade, as mãos que guiam o morteiro
e o morteiro que assim fica brando e ineficaz como o sarcasmo
de quem escolhe o pedaço de chão quente para mais aquela noite
e queima os cobertores made-in-china nos fumos que vêm lá debaixo
e os pulmões
que não sofrem de sarcasmo
toca a andar!
durmam depressa que a noite pode ser longa mas o sol raiou
o dia abriu e o ginásio fecha, meus senhores (cães, não), fecha para limpeza
e desinfestação, perdão, desinfecção das partes comuns à humanidade que pernoita
graças à boa-vontade de alguém que vem no “pacote de medidas de emergência”
que poderão chuchar nos intervalos da existência
e
caso morram
quando as mãos aquecem os morteiros
tenham a bondade de sorrir e de facilitar o vosso manuseamento
tomando um banho diário
e
fechando os olhos
Ana Saraiva

Passe-partout…

deixo-me apaixonar pela tua paixão
começa assim uma bela história de amor
ajeita-te apenas um pouco mais para o lado de cá
para caberes nesta fotografia que celebra os meus cem anos
Ana Saraiva

Para o Ademar…

haveria algum motivo para não celebrar
um dia como os outros
apenas mais um?
deixaria por cantar
um ano como os outros apenas mais um?
estamos então de acordo no essencial
a vida vive passando, morre parando
últimas notícias da província:
hoje, um desconhecido recomendou-me em plena rua
que assinasse a petição contra a dívida pública
desejou-me uma boa noite e seguiu caminho
eu ainda não assinei mas queria contar-te
isto
da dívida pública
hoje, recomendo eu o título

Ana Saraiva