Não haverá, em todo o planeta, um macho ou uma fêmea (não discuto orientações) que conforte esta pobre mulher sempre tão amargurada e zangada com o universo?…

hel2903b.jpg
Parece que esta mocinha também passou ontem pelo Prós e Contras e disse coisas. Altissonantemente, como é timbre das feiras. Esta mocinha dói-me, pela infelicidade e pela raiva que transpira de tudo o que diz e escreve. Ele há gente, neste país, que parece viver, permanentemente, entre o gólgota e a cruz. Não pelo lado dos supliciados, mas dos supliciadores…
A falta que o sexo, o sexo inteligente, faz às pessoas…

Noutros tempos, o fogo do santo ofício pouparia o grande vigário a estas consumições: e as crianças, sopradas pelo demo, ardem depressa…

ped2903.jpg
Público, 29.03.2010
Quando tenho de dar um exemplo de “maldade superior”, lembro-me imediatamente desta criatura. A sua existência é mais uma prova da inexistência de deus…

Não há terapêutica para a falta de carácter: ou se tem, ou não se tem…

mon2703a1.jpg
mon2703a2.jpg
mon2703c.jpg
_______________________________________________________________________________________
mon2703b.jpg
_______________________________________________________________________________________
mon2703a.jpg
mon2703e.jpg
Expresso, 27.03.2010
Sócrates é um pobre cluster de si próprio. Tudo começa nele e tudo acaba nele. E nada sobra…

Vou exigir uma percentagem nos negócios ao Professor Doutor Quintino…

Desde que publiquei este post que todas as semanas sou interpelado por alguém que me confunde com o Dr. Quintino. Já pensei em dedicar-me também ao aconselhamento conjugal e sexual dos indígenas e das indígenas. A burrice e a crendice, em Portugal, rendem. No mínimo, mereço uma percentagem. Vai, certamente, valer a pena…

Ainda há esposas preocupadas e agradecidas…

fil2003a.jpg
fil2003b.jpg
fil2003c.jpg
fil2003d.jpg
fil2003e.jpg
Correio da Manhã-Vidas, 20.03.2010
Jorge Nuno Pinto da Costa converteu-se, nos últimos dias, numa espécie de fetiche do Correio da Manhã. A novela parece interminável. E já ninguém arrisca, sobre mais este affaire amoroso de JNPC, um vaticínio (prognósticos só no fim do jogo). O argumento, porém, carece de originalidade e Filomena até não terá muita autoridade para se indignar, porque já representou o papel que outra agora desempenha. E dos problemas coronários de JNPC ela parece perceber muito pouco. Pelo menos, deveria saber que o sexo nunca fez mal ao coração, bem pelo contrário…