Ou são muito limitados de inteligência compreensiva ou, intelectualmente, desonestos…

man1102.jpg
A Plataforma Cidadania e Casamento decidiu afixar no seu site o artigo da minha irmã sobre os “casamentos homossexuais” publicado há dias no Público. O texto da Laura é irónico e sarcástico e ridiculariza as posições sustentadas pelos promotores da dita Plataforma e da manifestação convocada para o próximo dia 20. Pelos vistos, não foi entendida e o artigo é apresentado como se constituísse mais um testemunho a favor da causa contra a qual argumentava. Repito: ou é burrice ou desonestidade…
lista1102.jpg

O diário dos católicos bracarenses ainda tem muito a aprender com Estaline…

dmm0512d.jpg
dmm0512g.jpg
smm0512f.jpg
dmm0512a.jpg
dmm0512b.jpg
dmm0512c.jpg
Diário do Minho, 05.12.2009
Hoje comprei o Diário do Minho, na expectativa de “cheirar” o que a minha irmã teria dito ontem nas VI Jornadas de Enfermagem, organizadas pela Associação de Estudantes da Escola Superior de Enfermagem Calouste Gulbenkian, sob o lema ?Cuidados Paliativos. Cuidar no fim de vida?. Eu sabia que a Laura fora convidada para proferir uma conferência num painel dedicado ao tema ?Prolongar a vida vs apressar a morte: questões éticas?, painel em que também interviria Daniel Serrão.
Bem procurei na notícia uma referência à intervenção da minha irmã. Nada. Nem uma referência sequer à participação dela nas Jornadas. Só pela fotografia dos participantes no painel pude confirmar que ela estivera, efectivamente, presente (e, certamente, interviera).
Eu até compreendo que o diário da Arquidiocese de Braga não morra de amores pela minha irmã. As posições que ela defende sobre a morte assistida, os cuidados paliativos e o testamento vital não serão, propriamente, muito canónicas. Mas que o jornal, pura e simplesmente, não faça qualquer referência à presença e à intervenção da Laura… parece-me excessivo. Sobretudo depois não terem tido o cuidado e a coerência de apagar a minha irmã da fotografia dos conferencistas. Estaline, nesta matéria, era muito mais eficaz: mandava não só matar, como destruir todos os vestígios e todas as memórias da existência dos seus opositores…