Quem terá escrito, em 1965, este panegírico a Salazar?…

(…)


(…)
Em 1965, recém-licenciado em Direito, morria de amores por Salazar. Em 1969, quatro anos depois, Marcello Caetano chamou-o para o governo. O 25 de Abril apeou-o da manjedoura. Fez o luto que o decoro impunha, mas rapidamente se converteu à democracia. E, pouco tempo depois, regressava discretamente à manjedoura. Em dez anos, passou do salazarismo para o marcelismo e do marcelismo para a democracia-cristã. São estes os portugueses que, sentados quase sempre à mesa do orçamento e acumulando reformas, nos conduzem alegremente na senda do défice e que, de vez em quando, nos impõem, pela pátria, sacrifícios. Reconheceis o autor deste panegírico a Salazar? Claro que não reconheceis…

Neste tempo glorioso da “família” que Deus aprova e Cavaco enaltece, ainda havia reis e princesas, que não fornicavam, senão para perdurar a Pátria, e os paneleiros e as paneleiras não podiam casar, pelo menos, entre si…



Três anos depois, seria a desgraça, a todo o vapor. E Portugal nunca mais recuperaria, nem com Cavaco ao leme, o timoneiro de Boliqueime…

Um pouco mais de “alarme social” não fará mal a Portugal (para maiores de inteligência)…





Playboy-Portugal, Maio.2010

Há muitos anos que não passava os olhos pela Playboy e pelos frescos da Capela Sistina. Compreendo agora melhor a sábia observação do nosso rei putativo: imagens como estas são, evidentemente, um convite à fornicação. Os Papas que o digam…



Gilles Néret, Miguel Ângelo