O Casto…

afo2008a.jpg
afo2008d.jpg
CIUDADES con encanto – Oviedo
afo2008b.jpg
afo2009e.jpg
Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira
afo2008c.jpg
Na base do monumento, erguido junto à Catedral de Oviedo, pode ler-se: AFONSO II, 1º REI DE ESPANHA. Não sei quantos primeiros reis os espanhóis reconhecem. Sei apenas que, nos seus aspectos mais lendários, a história dos primeiros reis portugueses parece decalcada da história dos primeiros reis das Astúrias e de Leão. A matriz patranheira, obviamente, era a mesma: os bispos católicos e os seus cronistas não brincavam em serviço…

Francisco Paulino Hermenegildo Teódulo Franco y Bahamonde Salgado Pardo de Andrade…

fra1909d.jpg
fra1909c.jpg
fra1909b.jpg
fra1909a.jpg

Mais de trinta anos volvidos sobre a morte do ditador, o monumento erguido a Francisco Franco permanece intocado e intocável, numa das praças centrais de Oviedo. A Espanha, estranhamente, parece conviver bem com a memória dos seus monstros. O sangue, todo o sangue, derrama-se em vida; depois da morte, não…

As mentiras da história que os políticos servem aos idiotas dos cidadãos…

pel1208a.jpg
pel1208b.jpg
Sabe-se muito pouco de Pelágio (ou Pelayo), como, naturalmente, se sabe muito pouco do que se passou nas Astúrias no século VIII. O que se conta do insubmisso visigodo é lenda, matéria volátil de poesia trovadoresca. A história dos povos precisa de símbolos de carne e osso e Pelágio é um desses símbolos. Mas ele foi tanto o primeiro “rei de Espanha” como eu serei o último da Lusitânia. O que não impede que, neste monumento erguido em Canga de Onís, se faça de Pelayo o “primeiro rei de Espanha”. E, por extensão, de Canga de Onís, a capital do primeiro reino das Espanhas. Trata-se de uma invenção retroactiva. Mas tenho de admitir que o escultor foi muito feliz: Pelágio era tal e qual, reconheci-o logo…