Só os sádicos se revêem, compassivamente, no sofrimento final, cruel e indigno daqueles que amam…

eutan1702b2.jpg
eutan1702a1.jpg
eutan1702b3.jpg
eutan1702b5.jpg
24horas, 17.02.2010
Atire a primeira pedra quem, tendo passado pela experiência, não se tenha, pelo menos, interrogado sobre o sentido do amor ou da amizade nestas circunstâncias. Lembrai-vos de Ramón Sampedro? Ele dizia que, definitivamente, só se sentiria amado por quem o ajudasse a morrer. Foi esta a mulher que o amou. E, porém, tantos gostariam de a ver na prisão, pelo que fez…

Se os mortos começarem a injuriar e a difamar os vivos, sempre quero ver como os vivos se defenderão…

mor0502.jpg
24horas, 05.02.2010
Eu, se estivesse morto, e ainda assim me convocassem para participar num programa de televisão… garanto que diria tudo o que, em vida, tive vontade de dizer e silenciei. A consciência da inimputabilidade solta todas as línguas, até as dos mortos…

Um disparate editorial…

edi0403.jpg
Sábado, 04.02.2010
Eis uma observação destituída de sentido. Sócrates, evidentemente, não perdeu, pelo facto de ser primeiro-ministro, o direito de falar, publicamente, em voz alta e dizer tudo aquilo que lhe passe pela cabeça. O que sucede é que, como qualquer cidadão, terá de responder pelo que diga, quando o que diga (e seja testemunhado) ofenda terceiros. Se eu, num restaurante, injuriar ou difamar o primeiro-ministro, muito provavelmente, sofrerei as consequências, se houver testemunhas credíveis que, em tribunal, deponham contra mim. Sócrates, neste particular, não tem mais, nem menos direitos do que eu. Se me injuriar ou difamar publicamente e a injúria ou a difamação for testemunhada… eu apresentarei queixa e exigirei que ele seja pronunciado pelo crime de injúria ou de difamação. É tão simples como isto. O editorialista da Sábado não tem razão…

Espero ver, na primeira fila da manifestação, todos os padres gays e todos os padres pedófilos de Portugal!…

gay3001.jpg
DN, 30.01.2010
A primeira grande manifestação, em Portugal, contra a despenalização da IVG realizou-se em Braga, no início dos anos oitenta, convocada por vários movimentos e estruturas da arquidiocese bracarense. Sabeis quem sobressaía nas primeiras filas da manifestação, atrás do Cónego Melo? A mais conhecida abortadeira de Braga, que tantas carreiras eclesiásticas tinha ajudado a preservar…
Espero para ver quem desfilará agora contra os casamentos “gay”…