Para memória futura: estes são os gravadores que o deputado socialista Ricardo Rodrigues confessou ter furtado num “acto irreflectido”…

sab0605a.jpg
Sábado, 06.05.2010

Ricardo Rodrigues, para quem não saiba, é vice-presidente da bancada parlamentar do PS, membro da Comissão Permanente da Assembleia da República e ainda da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias. Bate tudo certo…

ric0605bb.jpg
ric0605aa.jpg
Sábado, 06.05.2010

“Todos têm os seus azares, todos têm os seus azares. Que querem que eu faça na vida?”…

Ricardo Rodrigues é vice-presidente da bancada parlamentar do PS. A revista Sábado acusa-o de ter furtado dois gravadores. Digo-vos: o homem, que entretanto já confessou o furto, tem, visivelmente, jeito de mãos…

Tenho menos de um mês para decidir o que irei dizer sobre este filme de John Cassavetes…

O convite dos meus alunos era irrecusável. Queriam, num Ciclo de Cinema dedicado aos anos 60, que estão a organizar (no âmbito da tão desprezada Área de Projecto), que fosse eu a apresentar “Faces”, de John Cassavetes. Tanto lhes falei, circunstancialmente, do cinema de Cassavetes que eles decidiram… vingar-se, convocando-me para a apresentação de Faces. Nunca, na vida de professor, e já lá vão muitos anos, fui confrontado com uma convocatória tão inesperada e tão agradável. Cassavetes é um dos meus realizadores predilectos. Acresce (e os meus alunos não sabem) que ele nasceu, como eu, a… 9 de Dezembro. Como a minha amiga Ana Saraiva e… John Malkovich. O problema é que tenho apenas um mês para decidir o que irei dizer sobre Faces. Não é um filme para olhares fáceis e apressados. E a juventude de hoje é, culturalmente, hiperactiva. Que a memória tão doce de John Cassavetes me inspire…

“Os versos agrupam-se em estrofes” e “o monóstico pertence à estrofe (anterior ou posterior)”…

man0205d.jpg
man0205a.jpg
man0205b.jpg
man0205c.jpg
Ana Maria Mocho/Odete Boaventura, VOANDO… NAS ASAS DA FANTASIA

Sento-me ao lado do Henrique, o meu filho mais novo, que está a estudar (ou a fingir que estuda). Peço-lhe que me fale sobre o que está a ler. Em vez de falar sobre, começa a papaguear o manual (a página que reproduzi em cima). E eu… começo a irritar-me. Não com ele, mas com os autores dos programas e dos manuais (neste caso, de Língua Portuguesa). Só poderá ser mesmo gente frustrada do prazer da leitura e da literatura. Quem escreve que “os versos agrupam-se em estrofes” (escrevo poesia há quarenta anos e raramente agrupei os meus “versos” em “estrofes”) e “o monóstico pertence à estrofe (anterior ou posterior)”… não regula bem. Mas é esta gente que conduz, diariamente, os alunos a odiarem a poesia (e a literatura, em geral). Que produz programas de ensinança, idiotas, e elabora manuais de estudo, aterradores e deprimentes. Digo-vos: hoje, domingo, tive vergonha de ser professor. E de escrever poesia, desestrofada…

Dos… monósticos, por pudor, não falo…

mon0205.jpg
Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa