Antologia poética (457)…

Improviso sobre uma ária de J.S.Bach…

Que os meus olhos sempre despertos
só adormecessem por dentro dos teus
que as nossas mãos
não errassem as cordas da guitarra nem a partitura
que não houvesse mais corpo entre nós
para além do pensamento
e que até as palavras perdessem
a noção do tempo
que tudo
fosse simples delicado e perfeito
como nesta ária de Bach
uma nudez de saudades
um silêncio de lágrimas
a eternidade cantada assim
num sorriso sem data.

Ademar
08.08.2006
publicado em abnoxio3.blogs.sapo.pt

One Response to “Antologia poética (457)…”

Read below or Comentar...

Comentar