Antologia poética (134)…

Improviso em forma de nocturno…
Há quem durma fora das noites
e desperte apenas para dentro
sei de janelas que não abrem
para horizonte algum
entram e saem por todas as manhãs.
Ademar
08.11.2005
publicado em abnoxio2.blogs.sapo.pt

Comentar