Improviso silencioso…

Sobram sempre
teclas para os dedos
cordas
palavras
traições manuais dizes
suores talvez soletrados
numa gramática antiga
escreves lentamente
sobre ti própria
tropeçando por vezes na ortografia
não deixas rasto
apenas as mãos te viajam
duas mãos humedecidas no silêncio.

Ademar
29.04.2009