A maldição…

vascop.jpg
Público, 25.05.2007
Uma graçola dita no recato de um gabinete, que um canalha se apressou a denunciar à chefe, converteu-se, hélas!, numa questão nacional. Fernando Charrua passou a mártir da democracia e Margarida Moreira, a verduga. Tudo a preto e branco, como nos filmes de Leitão de Barros dos anos quarenta. Hoje, no Público, Vasco Pulido Valente e Carlos Fiolhais atacam ferozmente a besta censória e exalçam o livre espírito, que estaria ameaçado. Portugal em cuecas consegue ser ainda mais ridículo do que Portugal em ceroulas…
A comédia segue no próximo acto…

Improviso para fazer o roque…

No nosso tabuleiro
nunca há peças a mais
nem peças escondidas
para lances subterrâneos
há um jogo íntimo de feitiços
peões assombrando reis
cavalos velocíssimos montando rainhas assustadas
bispos laicos
torres que nunca tiveram ameias
é nesse tabuleiro
que jogamos os dias
entre duas mãos
e uma miríade de fantasias.

Ademar
24.05.2007

Um caso, apenas, de polícia…

braspa.jpg
Diário do Minho, 24.05.2007
Há muitos anos que digo que Braga é um caso, não de política, mas de polícia. O “crescimento” de Braga está assente num imenso aterro sanitário, abençoado pela igreja católica. No dia em que se fizesse o rigoroso escrutínio das “fortunas” que se acumularam em Braga nos últimos trinta anos… perceber-se-ia tudo, de uma vez por todas.

Ele vem-se por Lisboa…

carmoro.jpg
Ele ama Lisboa. Ele adora Lisboa. Mais: ele está rotundamente apaixonado por Lisboa. Ele não consegue viver sem Lisboa. Ele não consegue virar a cara a Lisboa. Ele não consegue virar nada a Lisboa. Ele sofre por Lisboa. Ele geme por Lisboa. Ele grita por Lisboa. Ele é capaz de tudo por Lisboa. Grande Carmona!…
(Dizei lá se não apetece mesmo insultar esta canalha!)

Declaração…

Eu, abaixo-assinado, professor do ensino secundário do quadro de nomeação definitiva (se, entretanto, não for despedido), declaro por minha honra e para minha protecção que nunca chamei “filho da puta” ao Senhor Primeiro-Ministro, Engenheiro José Sócrates.
Braga, 23 de Maio de 2007
Ademar Ferreira dos Santos