Hesitâncias…

estou quase a desistir
tudo é igual a tudo
já toda gente o pressentia
mas só depois o sabem
não há nada que faça a mínima diferença
por mais nuclear que seja o gesto
e no entanto hesito muito
entre o ameixa-sangue e o lacre-da-china
os meus olhos vão de um a outro
e os lábios escurecem
na antecipação
toda a vida nesta indecisão
a vida antes de me arrepender
de não ter levado nenhum
ou de ter molhado os lábios
no pecado errado
impede
que rios e ruas se encham de corpos
onde o sangue já não corre criança

Ana Saraiva

Improviso sobre uma tela quase de Bruegel… *

bangladesh.jpg
Há véus que nos protegem
oferecemo-nos assim
numa bandeja de olhares cativos
pintamos de cores baças o destino
somos a espera
e espreitamos
caberemos sempre na tela
não há mercado que nos esgote.

Ademar
28.11.2006
* Fotografia de Rosário Tique publicada no Expresso-Revista (nº1195, de 23 de Setembro de 1995)

Diário em forma de silêncio (80)…

Tropeço nas memórias, tropeço em ti. No lugar dos teus olhos, vejo agora uma câmara. Finjo que não reparo nela e dispo-me, porque sei que é o que esperas da actriz. E o teu desejo, tu adivinhas, faz com que eu me deseje. Ninguém conhece melhor o corpo do que quem o transporta. Mostro-te o caminho e tu aprendes. Aprendes depressa. No lugar das minhas mãos imagino as tuas. E os teus lábios. E a tua língua. Sim, é uma espécie de ensino individualizado. Só tu e eu. Digo: só eu…
C.A.

Improviso para guitarra, voz e algemas…

Inclino-me aos teus gritos
Todos os vazios suplicam desertos
as mãos que escorrem pela tua inércia
e simplesmente rastejam
a esperança trocou sempre o destino
não há fadas boas nem fadas más
e a guitarra convida sempre ao corão
o fado é o cárcere em que resides
quando descantas.

Ademar
28.11.2006